“Caridade é o instrumento para se resolver os problemas do mundo.”

– Irmão Espiritual Bezerra de Menezes

A palavra ‘caridade’ tem sua etimologia no latim “carita” que significa amor, “carus” de alto valor, digno de apreço. No senso comum, alguém caridoso é sinônimo de uma pessoa despojada, que não mede esforços para se doar ou doar seus bens a favor do próximo.

Assim como religião, caridade é uma palavra que precisamos desmitificar. Quando falamos em caridade, logo pensamos em dar dinheiro a quem precisa, mas caridade vai muito além disso. Você já disse um “Bom dia” hoje? Já perguntou ao seu colega de trabalho ou ao seu vizinho “Como você está? Tudo bem com você?”. Caridade é dar a oportunidade da pessoa se recuperar, vencer seus males, pois, muitas vezes, o que essa pessoa precisa é de um simples “Bom dia”, ou de apenas um sorriso.

Caridade é você expressar seu sentimento puro e verdadeiro em prol de alguém. O Cristo exemplificava a caridade de uma forma muito simples, olhando a pessoa e a respeitando na situação que ela estivesse, seja um cobrador de impostos ou um leproso. Ele atendia a todos, vendo as pessoas sofredoras. Ele não deixava passar despercebido. Ele parava e conversava com elas.

“Caridade, palavra que reflete as ações do Cristo para com toda a humanidade. Gestos que imprimem a real lealdade, pois alcança-se os propósitos celestes, desenvolvendo com a inteligência a ação que os homens vivem buscando para alcançar a tranquilidade que a mente deseja. ”

– Irmão Espiritual Bezerra de Menezes 

Agora eu te pergunto: você sabe a diferença entre amor e caridade? A pessoa que tem caridade precisa de amor e a pessoa que tem amor precisa ter caridade.

amor traz um sentimento muito forte e genuíno pelas pessoas, no qual você se preocupa com o bem estar, tem vontade de estar perto e de agradar. Enquanto a caridade significa bondade, perdão, ajuda e compaixão. Ela pode ser entendida como o amor em ação. Trocando em miúdos, o amor é o que sentimos e a caridade é o que fazemos. Simples assim.

“A caridade é o aconchego, é a certeza, é a misericórdia de Deus para com todos pelo esforço de cada um no dia a dia da vida.”

– Irmão Espiritual Bezerra de Menezes –

No começo do texto, começamos questionando sobre o que seria a caridade, se dar aquilo que nos sobra como ajudar a um necessitado financeiramente, seria caridade. Paulo de Tarso, em 1 Coríntios 13, mostra aos cristãos de Corinto que a caridade é algo muito mais profundo e importante do que apenas darmos o que nos sobra aos necessitados. Embora isto também seja um ato caritativo, não resume a grandiosidade desta virtude.

Para encerrar este artigo, deixo aqui este grande ensinamento de Paulo de Tarso acerca da caridade.

1 Coríntios 13

Paulo fala da excelência da caridade

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse caridade, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.

E ainda que tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse caridade, nada seria.

E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse caridade, nada disso me aproveitaria.

A caridade é sofredora, é benigna; a caridade não é invejosa; a caridade não trata com leviandade, não se ensoberbece,

Não trata com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;

Não se alegra com a injustiça, porém se alegra com a verdade;

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

A caridade nunca falha; porém, ainda que haja profecias, desaparecerão; ainda que haja línguas, cessarão; ainda que haja ciência, desaparecerá;

Porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos;

10 Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte desaparecerá.

11 Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino; mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.

12 Porque agora vemos por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.

13 Agora, pois, permanecem estas três: a fé, a esperança e a caridade; porém a maior destas é a caridade.

– Rafael Higa –

Deixe uma resposta